NOITE DA POESIA E DA CACHAÇA

A Noite da Poesia e da Cachaça é uma coletânea de textos poéticos, impactantes, dramáticos, humorísticos, irreverentes de diferentes tendências e formas. Presentes estão Drummond, Lorca, Neruda, Oswald de Andrade, Quintana, Vinícius, Millôr e outros e mais outros que nos encantam e desafiam nossos olhos e coração com a rebeldia da palavra amor.

O texto se torna único em criatividade, lirismo, mordacidade, humorismo e  ganha o palco nas vozes dos seus protagonistas.

Prólogo:

A noite da poesia e da cachaça acontece antes de o amor virar outono e antes/durante/depois de uma lua cheia de sol. Ela está sempre no começo das coisas, por isso não epiloga nunca. Não tem preferência de cor, idade, latitude, longitude. Quer o norte, mas não abre mão do sul de seu corpo, entre o leste e o oeste fica com os dois. Faz serenata e nina a lua como se adormecesse a aurora, está sempre na contra mão da tristeza, da cara amarrada, emburrada. O bom humor é a sua senha e carrega a esperança à flor da pele.

Proposta:
.
Contemplamos as datas, as circunstâncias atuais, o local da apresentação, da cidade.
(Ex.). Se acontecer uma Noite da Poesia durante um ano de copa do mundo falaremos da bola e do futebol naturalmente.
Se a Noite acontecer em Ouro Preto, não faltarão poemas inconfidentes, barrocos.
Se falarmos de morte, Manuel Bandeira e Henriqueta Lisboa serão lembrados.
Levar textos diferentes para um público também diferente.
Textos líricos, dramáticos, criativos, humorísticos, marotos, poéticos, impactantes, irreverentes Conservamos uma espinha dorsal que sustenta os espetáculos.
Os textos devem agradar a gregos e goianos.

Exemplo de textos que comparecem na amostra:

“A Cia. Vale do Rio Doce e a fé removem montanhas”.

“O primeiro amor passou, o segundo amor passou, o terceiro amor passou, mas o coração continua”.

“Como dizer quem come, se quando amamos temos a mesma fome?”

“O penúltimo ditador não caiu, apenas tropeçou no povo”.

“Eu bebo porque percebo”,
Que não adianta parar.
Pois mesmo quando não bebo
“Me embriago de seu olhar”

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Que eu possa me dizer do amor que tive
Que não seja imortal posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure....

Curral del rei era o nome de Belo Horizonte
Um dia o rei foi embora e o curral virou serra
Os homens acharam que horizonte era palavra bonita
E multinacionalmente levaram o substantivo e a serra.

Alguém escreve para o Millor Fernandes: Meu caro, Millor, após longas pesquisas cheguei a esta conclusão: A diferença entre o ladrão e o político, é que, um eu escolho, o outro me escolhe, estou certo? Poxa,seu Viltrakis, você é um gênio, conseguiu achar uma diferença entre ladrão e político. Parabéns.

“Eu não tinha este rosto de hoje”,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos vazios
Nem o lábio amargo “....”.

Que país é este?
Onde um tem demais e o outro subtrai
Onde um tem o bolso cheio e o outro abaixo do meio
Onde um é político endinheirado e o outro nem assalariado
Que país é este e qual o seu preço
No mercado do engodo e do avesso?

O pior analfabeto é a analfabeto político
Ele não ouve, não fala, nem participa.
Dos acontecimentos políticos.

Mentiram-me, mentiram-me ontem e hoje novamente mentem de.
Corpo e alma completamente e mentem de maneira tão
Pungente que acho que mentem sinceramente.

LOCAL:

Procuramos diversificar os espaços, embora A Noite da Poesia e da Cachaça acontece mais comumente em bares. Já foi realizada em livrarias, em salão de festas, em auditório de colégio, em Casas de Cultura.


APETRECHOS E OUTRAS COISAS:

Dois microfones não podem faltar. Também é muito necessário um violeiro ou uma banda para animar o antes e o depois da falação. Uma cachacinha para ser servida graciosamente entre os presentes. Já tivemos a cortesia da Capitão das Gerais, da Caprichosa e agora estamos com a Monte Alto de Salinas.

COMO É A NOITE. DO FUNCIONAMENTO:

A primeira parte do espetáculo fica por conta da equipe que se propõe fazer a noite.
A segunda parte fica por conta da platéia. O espaço é aberto para quem quiser mostrar os seus poemas ou falar poemas ou histórias de outros autores.

QUEM SÃO ELES: (pela ordem alfabética)

Geraldo Peninha (Geraldo Roberto Silva Araújo), ator formado em Artes Cênicas (UFMG). Premiado em A Falecida de Nelson Rodrigues e em Os Riscos da Fala e O Casamento da Ararinha Azul. Trabalhou na minissérie JK, TV Globo e participou de dois episódios de Carga Pesada, TV Globo. Fez entre outras peças, Viva Olegário, Pequenos Burgueses, Pelos Caminhos e seu último trabalho foi Quando você não está no céu.

Jed Boy (José Eloisio Domingos) ex-professor de matemática e ator.
Participou das principais peças da dramaturgia mineira: Pelos Caminhos de Minas, Qualé, Brasil, Esssas mulheres e seus homens maravilhosos, Noel Rosa entre outras.

Ronald Claver (Ronald Claver Camargo) – Escritor, trabalha com produção e edição de textos –.
Tem mais de 30 títulos publicados. Foi várias vezes premiado no país e fora dele. Premio Fernando Chinaglia (RJ), Augusto Mota (RJ), Nestlé (S.Paulo), Cidade Belo Horizonte, Augusto Meyer (RS). Publicou entre outros Matemágica, A Última Sessão de Cinema, Senhora do Mundo, Diário do Outro, Dona Palavra, Escrever Sem Doer, A Arte de Escrever com Arte, Hoje Tem Poesia.

Quando nasci um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! Ser gauche na vida. Mas sou apenas um homem. Um homem pequenino à beira de um rio. Passo a mão na cabeça que vai embranquecer. O rosto denuncia certa experiência. A mão já escreveu tanto e não sabe contar! Nada conto do ar, da água, do mineral e da folha. Ignoro profundamente a natureza humana e acho que não devia falar nessas coisas. Mas essa lua e esse conhaque botam a gente comovido como o diabo.
(texto do audiovisual “Viagem em torno de Drummond, de Ronald Claver e Antônio Sérgio Bueno”.).

A poesia?
É só abrir os olhos e ver
Tem tudo a vem com tudo
E com você.

LEMBRETE: a poesia e cachaça têm afinidades: ambas piram e inspiram.

AH, AS FINANÇAS? QUEM BANCA QUEM.

Não cobramos nada, mas gostamos também de não gastar. A hospedagem e transporte (caso a Noite aconteça em cidades do interior) ficam por conta do contratante. A cerveja também.
CONTATO: Ronald Claver – R. Mário de andrade ,90 – Santa Branca- Bhte. MG.
F. 31- 34431798 – 91148055